segunda-feira, 17 de abril de 2017

TRÊS CIDADES BAIANAS RECEBERÃO A TURNÊ "DIVINO E ATEU" DE ACHILES

Maracás, Salvador e Vitória da Conquista são as primeiras cidades confirmadas



Após se destacar nacionalmente com o lançamento do seu primeiro álbum solo autoral, o cantor e compositor Achiles sai em turnê com o seu novo show “Divino e Ateu”. Maracás, Salvador e Vitória da Conquista são as primeiras cidades confirmadas, com datas até o final do mês de março.



Maracás (BA), cidade natal do músico, recebe a turnê de lançamento nesta quinta-feira (20). O show acontece gratuitamente, às 20h30, no Auditório Municipal Ivonete Dias, durante a programação do aniversário da cidade.

No dia 25, Achiles aporta em Salvador (BA) para participar do projeto “Quanto Vale o Show?”, ao lado do também cantor e compositor Dimazz. A apresentação acontece no Irish Pub, localizado no bairro Rio Vermelho.

Em Vitória da Conquista (BA), o lançamento será no próximo dia 30, no Teatro Municipal Carlos Jehovah, às 19h. Os ingressos limitados já estão disponíveis no site Sympla pelo valor de R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia).


“Divino e Ateu”


Programações eletrônicas com versões contemporâneas da estética pop-disco-glam, reunindo em si uma representação de várias ideias, lembranças, vontades e sentimentos. É sobre este universo que Achiles passeia com suas parcerias, retratando suas origens interioranas, seu olhar despudorado sobre si mesmo, suas paixões e seus mundos em seu novo EP autoral intitulado “Divino e Ateu”.

O primeiro álbum solo da carreira do cantor e compositor natural de Maracás (BA) foi lançado em março de 2017 pelo selo PIRIPIRI, com produção de Tiago Menezes e masterização de Felipe Tichauer, ganhador do Grammy Latino pelo álbum “Céu – Tropix”. O registro conta ainda com a participação de Driuzão (bateria) e Daniel Drummond (técnico de gravação).



A capa, assinada por Kaula Cordier (Cavalo Design) e Shai Andrade (fotógrafa), faz referência ao artista plástico argentino León Ferrari (1920-2013), que mobilizou sua obra na luta contra os regimes ditatoriais da América do Sul e contra as ideias conservadoras da Igreja Católica.



“Entendi que o título que escolhi para representar esse trabalho, ‘Divino e Ateu’, me possibilitava uma ampla discussão sobre antinomias, hibridismos, profanações e espiritualidade. Talvez por eu me enxergar também desta forma impura, complexa e multifacetada, identifiquei em Ferrari o compromisso que eu gostaria de assumir na aliança entre arte e desconforto (o que é causado a mim e aquele que é instigado nos outros)”, explica Achiles.

“Pode ser que eu peque por excesso e esta ideia de pecado já é uma coisa bastante cristã. Mas gosto que as minhas criações tenham um sentido de existir. Nada encontrado aqui é exatamente por acaso. Também vejo problemas no artista didático, sobretudo os músicos. Nossa cartilha de ouvir e fazer música pode não servir a ninguém além de nós mesmos. E este emblema entre o conteúdo que precisa ser dito e a liberdade que as pessoas precisam ter para fazer uso dele me abre uma cilada inevitável: farei o possível”, diz.

Ainda segundo o músico, “Divino e Ateu” são todas as dualidades. “São Sebastião, o pai de Achiles e León Ferrari. A fé diante da comunidade LGBT e a fé que possui a comunidade LGBT. Eu, LGBT, meu pai e a minha fé. A geometria e a visão cartesiana. A ciência e a plasticidade. Xangô e Oxaguiã em suas belezas. O arco indígena e a tribo Maracás de onde venho”, declara.

Sobre Achiles

Achiles é cantor e compositor de música popular brasileira. Baiano, natural de Maracás (BA), começou a cantar aos oito anos de idade numa banda de percussão em sua cidade. Aos 12, assumiu os vocais da Banda Me Leva, grupo de forró liderado por seu pai, onde permaneceu por 8 anos.

Em 2012 criou, juntamente com o músico Marcus Marinho, o grupo CAIM e já em 2014 lançaram o disco “Ciência, Arte, Ideologia e Música”, que rendeu aos compositores a indicação ao Prêmio Caymmi de Música, em 2015, na categoria de Melhor Música (Disfarce). Na mesma premiação, Achiles foi um dos indicados à subcategoria de Melhor Intérprete Vocal.

O disco alcançou a 26ª posição no site Melhores da Música Brasileira, que listou os 100 melhores discos do ano de 2014, e a canção “O Quartinho” foi listada pelo mesmo site entre as 10 melhores músicas do ano.

Em setembro de 2015, Achiles venceu o Festival Nacional da Canção ao lado do compositor paulista Conrado Pera, com a parceria “Corte e Costura”. O artista foi o primeiro baiano a receber o Troféu Lamartine Babo, em 45 anos do Festival Nacional.

Em novembro de 2016, lançou “Mar de Refrigerante”, seu primeiro single solo, com produção musical de Tiago Menezes. O single foi lançado em um videoclipe, produzido pela empresa soteropolitana Voo Audiovisual.

Assista “Mar de Refrigerante”: 



Ouça “Divino e Ateu”:

Google Play: http://bit.ly/2naskDr



Baixe gratuitamente: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário